domingo, 8 de março de 2009

ao dia das mulheres

A pérola que encontrei no blog de Thiago Chiapetti, jornalista do Jornal de Beltrão:

"02 de março de 2009

O dia delas

No próximo dia 8, o mundo homenageia as mulheres. Não sei exatamente a origem desta comemoração, mas compreendo que se trata de uma data muito bonita. Muitas delas recebem flores, poesias e presentes.

E não apenas neste dia, as mulheres são rotineiramente surpreendidas. É no aniversário de nascimento, de namoro, de casamento, no Dia das Mães, num dia qualquer com uma demonstração de amor do pai, do irmão, do namorado, do marido ou do amante. É sempre bom preparar aquela surpresa.

Elas amam. Ainda mais se for com flores ou bombons.

Tem gente que faz aquela piada de que todos os outros dias do ano são dos homens. Eu não concordo. Entendo que todo dia é dia de homenagear, seja homem ou mulher. No entanto, neste momento em que a humanidade comemora um movimento feminista, vale destacar um comparativo que constatei esta semana.

No sábado, as mulheres se reuniram no Santa Fé, num chá promovido pelo Apoio Feminino da Adhonep. Tudo muito bonito, tudo muito delicado. Pude perceber que elas realmente conquistam o mercado de trabalho. Mas confesso que serei eternamente admirador daquelas corajosas que renunciaram a profissão para dedicar-se ao ofício de cuidar dos filhos e do marido e administrar a casa.

Este é, inclusive, o tema do suplemento especial do Dia da Mulher do Jornal de Beltrão deste ano. Enquanto ainda produzimos as reportagens, constato lindas histórias de mulheres que se destacam, sem deixar o seu lar. Onde quer que elas estejam, estão sempre colorindo os nossos olhos."


Agora, a minha resposta ao tal jornalista:

"Resposta ao jornalista Thiago Chiapetti do Jornal de Beltrão.

Não precisamos de flores, bombons, presentes, poesias, enfim, agrados materiais que o jornalista Thiago Chiapetti acredita que nós, mulheres, amamos receber, se não temos o reconhecimento da nossa importância na sociedade. O nosso caro jornalista relata em seu discurso, “Não sei exatamente a origem desta comemoração, mas compreendo que se trata de uma data muito bonita.”. A partir daí o artigo perdeu totalmente o sentido. Acredito que a função de um jornalista é buscar informações sobre aquilo o que ele deseja escrever publicamente. Até mesmo meu irmão de seis anos de idade já aprendeu sobre a origem da comemoração do dia das mulheres (deixo claro minha ironia).
Quanto ao tema do suplemento especial do Dia da Mulher do Jornal de Beltrão que homenageia as mulheres donas-de-casa, “mulheres que se destacam, sem deixar o seu lar”, segundo Chiapetti, quero dizer que também as admiro. No entanto, a razão de se comemorar essa data está refletida na luta que as mulheres sempre enfrentaram em sobressair-se no mercado de trabalho, buscando por direitos iguais, por melhores salários, pelo fim da violência e o preconceito masculino, ou seja, a desvalorização da mulher na sociedade. Essa luta não é de hoje, como relata o autor ao dizer, “neste momento em que a humanidade comemora um movimento feminista”. Engana-se, pois há décadas que o movimento feminista vem ocorrendo [informe-se melhor, caro informante].
Quanto ao “comemorar”, o que exatamente deveríamos comemorar? Os baixos salários comparados aos dos homens? A violência que as mesmas sofrem por seus pais, namorados, companheiros? A ingratidão dos próprios filhos? A “mercantilização” do corpo como produto de venda publicitária? Sim, já alcançamos muitas conquistas e direitos. Eles estão contidos em algum lugar da legislação brasileira, mas será que na prática também?
Nós, mulheres, ainda temos muita camisa para suar, muitos leões para matar, muitas batalhas para vencer. E repito, não são flores, bombons, presentes e poesias que vão nos satisfazer, mas sim, o respeito e a consideração de uma sociedade machista.

Stephanie Natalie Burille, 19 anos, estudante de Enfermagem da Universidade Estadual do Oeste do Paraná."

Um comentário:

Clara disse...

Comooooo sem comentario?? Hunf!
eu achei maravilhoso!!

*.*